Ministro Chikoti fala dos desafios de Àfrica

Ministro Chikoti fala dos desafios de Àfrica

O ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti, considerou hoje, em Roma, que o futuro do continente africano está na criação de “Estados capazes” de adoptarem uma visão clara e definida de desenvolvimento e de transformação.

O chefe da diplomacia angolana fez esta observação durante a sua intervenção na primeira Conferência Ministerial Itália-África, inaugurada pelo Presidente da Itália, Sergio Mattarella, com a participação de 52 delegações de Estados africanos.

Na opinião do ministro, esta mudança exige o envolvimento de todos os actores nacionais e internacionais, bem como reflectir sobre como fazer convergir e integrar os países africanos no ciclo virtuoso do crescimento.

Segundo Georges Chikoti, que interveio no painel I sobre sustentabilidade económica, “a resposta consiste na implementação da Nova Parceria para o Desenvolvimento Africano (NEPAD), da Agenda 2063 e da Agenda 2030 que sintetizam as aspirações dos cidadãos e Governos africanos para os próximos cinquenta anos”.

Chikoti resumiu em oito pontos os desafios dos Estados africanos, para além das responsabilidades políticas, na área económica e social, nomeadamente “conceber e aplicar estratégias de desenvolvimento sustentado a longo prazo; investir, prioritariamente, nos sectores sociais e eliminar as desigualdades de género, a todos os níveis”.

Outros desafios são, na sua óptica, “assegurar a estabilidade macro-económica, tendo em consideração as condições iniciais de cada país; impulsionar a criação de um ambiente propício ao investimento produtivo privado, quer seja nacional, africano ou estrangeiro; promover um padrão equitativo de distribuição do rendimento, da riqueza e das oportunidades, bem como fortalecer um desenvolvimento regional equilibrado e justo”.

O governante angolano considera ainda como repto dos Estados africanos o fomento e a criação de mercados onde não existam e assegurar o funcionamento eficiente das forças de mercado, de acordo com certos parâmetros, que dependem do desenvolvimento de cada país e assegurar actividades que o mercado não garante, sempre que os custos e benefícios sociais o imponham.

O encaminhamento de investimentos para sectores prioritários, de forma a garantir uma afectação eficaz de recursos, a nível nacional e a nível regional, é outro ponto defendido por Chikoti.

O ministro preconiza ainda que a inclusão social e as questões de sustentabilidade são a chave para o futuro do continente, requerendo para o efeito fortes investimentos na área da educação, num continente que continuará a crescer demograficamente até 2030.

Os constrangimentos que restringem o processo de desenvolvimento do continente africano, explicou, estão relacionados com o elevado índice de pobreza e de exclusão social, a falta de infra-estruturas, o elevado nível de ineficiência relativamente aos serviços prestados nos diferentes sectores que se verifica em muitos países africanos, que vivem em condições de grande fragilidade.

Acrescentou que, apesar das dificuldades, a África teve um crescimento económico notável no início deste século, cujo desempenho foi influenciado por vários factores como a boa governação, adopção de políticas orientadas para a melhoria da qualidade das instituições, e do bem-estar das populações, sendo a alta dos preços das matérias-primas o impulsionador desse crescimento para os países exportadores de comodities.

Recordou que nos últimos dois anos a situação nos países exportadores de matérias-primas alterou-se significativamente com a baixa dos preços desses bens nos mercados internacionais, o que afectou o equilíbrio das suas balanças comerciais.

O governante angolano concluiu que, face às dificuldades orçamentais, os países africanos estão a reverter o actual quadro de crise, adoptando políticas e acções concretas destinadas à diversificação das suas economias.

Por seu lado, o Presidente da República ao inaugurar os trabalhos da conferência chamou à atenção dos presentes para os "desafios comuns", como o fenómeno da migração, crescimento e a luta contra a corrupção.

O estadista italiano recordou que “a Itália é pela sua condição geográfica, histórica e cultural, uma ponte entre África e a Europa, livres de preconceitos e prontos para um diálogo pragmático e aberto”, sendo a estabilidade do continente africano uma prioridade para a União Europeia.

Para Sergio Mattarella, "a migração em massa representa para o continente africano a mais dolorosa desapropriação do futuro dos tempos que correm. Milhões de pessoas que fogem empobrecem as sociedades africanas e condicionam o seu desenvolvimento”.

Nesta senda, defendeu a necessidade de adopção de estratégias distantes da lógica simplista de responder ao fenómeno da migração com a construção de muros e barreiras, apelando a “uma abordagem abrangente e durável” do assunto.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Itália, Paolo Gentiloni, sublinhou o papel de liderança que o seu país pretende assumir nas suas relações com o continente africano.

A Conferência, que ocorrerá a cada 2 anos, enquadra-se no âmbito da nova visão da política italiana para a África, lançada em 2014 pelo presidente do Partido Democrático (PD) e primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi.

Os participantes ao evento de um dia abordaram, em 4 painéis, temas como “sustentabilidade económica-Itália-África, os desafios para um crescimento comum”, “sustentabilidade social e ambiental-ambiente e desenvolvimento social. Agenda 2030, e uma nova abordagem integrada” e “sustentabilidade do fenómeno migratório - para um novo modelo de diálogo”, “paz e segurança - peace keeping, peace building e ownership Africana”.

0 Comentários

Deixe um Comentário

  • Was this helpful?

  • No Very
  • Enter Word Verification in box below •

    Captcha Image

Sobre Nós

A representação do Consulado Geral de Angola abrange nove Estados arnericanos, desde do Sudeste ao Sudoeste dos Estados Unidos, nomeadamente os Estados da Alabama, Arkansas, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Florida, Georgia, Louisiana, Mississippi, Novo Mexico, Oklahoma, Tennessee e Texas.

Phone: 1-713 212 3840

Nossa Equipe

Copyright © 2015 | Elite Management Solutions